SAIBA OS 5 SEGREDOS PARA OTIMIZAR O TRATAMENTO DA SUA ÁGUA
|

Remoção de Fósforo

As Regras sobre Fósforo em Descarga de Efluentes

A remoção de fósforo é hoje um problema maior do que já foi antes. Leis estaduais limitam os níveis de fósforo que pode ser descarregado de efluentes no ambiente. Geralmente, a aplicação dessas leis também ocorrem no nível estadual. Muitos estados americanos atualmente regulam, ou regularão no futuro, estes níveis de fósforo. Alguns estados contemplam mudar para novos padrões mais rígidos — em alguns casos, apenas 0,1 mg/l. Isso é dez vezes menor do que o padrão atual.

Por Que Toda Essa Complicação sobre Fósforo?

Fósforo é encontrado em quase todo fertilizante fabricado comercialmente. Após as plantações serem fertilizadas, os nutrientes em excesso no fertilizante, como o fósforo, são lavados para nossa bacia hidrográfica.

Enquanto que o fósforo é muito eficaz para o crescimento de plantas no cultivo de alimentos, ele tem efeitos coleterais perigosos nos canais de água estaduais. A questão é, fosfato também promove eutrofização — o crescimento de plantas aquáticas em corpos de água, que inclui florescência de algas nocivas (cianobactérias). Estas florescências de algas cianobactérias podem produzir toxinas nocivas que são prejudiciais para humanos e animais.

Abordagens à Remoção de Fósforo em Efluentes

Conforme persistem os problemas de fósforo, os regulamentos que limitam níveis em efluentes se tornam mais rígidos. Para muitas instalações de tratamento, compreender como remover fósforo com eficácia de seus efluentes pode ser um desafio, mas é certamente possível.

Quase todas as estações de tratamento de efluentes executam pelo menos um tratamento secundário, mas isso tipicamente não proporciona remoção de fósforo suficiente. Para cumprir os novos requisitos, as instalações podem fazer uma de duas coisas: 1) fazer retrofit de suas estações para aprimorar processos de tratamento biológico, ou 2) adicionar produtos químicos para ajudar a precipitar o fosfato para fora. Tecnologias de tratamento atualmente disponíveis para remover fosfato incluem:

Física: filtragem de fósforo particulado ou tecnologias de membranas
Química: precipitação ou adsorção físico-química
Biológica: assimilação ou remoção de fósforo biológico avançada (EBPR)

Gráfico dos novos regulamentos de remoção de fósforo

Tratamento Físico

Uma abordagem que funciona bem para nutrir e desnutrir efluentes é fazer o retrofit de estações de efluentes existentes com tecnologias de membranas de fósforo particulado. Porém, esse método pode não ter o benefício almejado de remoção de fosfato. Além disso, devido ao alto custo de capital de investimento adiantado necessário, pode demorar anos para se ver um retorno sobre o investimento. No longo prazo, porém, este processo pode ser uma solução econômica para reduzir níveis de fosfato.

Tratamento Químico

Uma tática que tem sido usada na gestão de fosfato por muito tempo é a precipitação química. Enquanto este método exige baixo custo de capital inicial, ele vem com uma despesa de tratamento contínua. O benefício de usar um tratamento químico para baixar os níveis de fosfato em efluentes é que ele pode fornecer resultados imediatos sem a espera da construção (de uma solução física). No entanto, tratamentos químicos tradicionais podem adicionar custos significativos de remoção de lodo. Esses custos podem ser especialmente extremos se o método usado for a aplicação de cal durante o tratamento primário (Tchobanoglous et al., 2003). O uso de alume após o tratamento secundário pode produzir menos lodo, mas o aumento ainda pode ser um problema.

Tratamento Biológico

A remoção biológica de fosfato pode efetivamente baixar os níveis de fosfato. No entanto, seu desempenho varia durante o ano devido a vários fatores como fluxo, água, temperatura do ar, etc. Há, entretanto, uma preocupação com os efeitos que os processos de gestão de sólidos e os fluxos laterais de retorno podem ter na capacidade dos tratamentos biológicos de baixar os níveis de fosfato. Qualquer processo que destrua material orgânico (como a digestão) tem o potencial de liberar fosfato orgânico particulado, que está presente como fosfato solúvel orgânico ou inorgânico. Qualquer fosfato liberado será então devolvido ao processo principal de tratamento de efluentes em altas concentrações através de fluxos laterais de reciclagem. Por causa disso, a remoção de fosfato é necessária uma segunda vez. Processos que não são contínuos também podem causar carregamentos variáveis de fluxos laterais.

Plano de Tratamento de Fosfato da ATS Innova

Na maioria dos casos, estações de efluentes podem reduzir os níveis de fosfato com eficácia usando uma abordagem química inteligente, por uma fração do custo de melhorias de infraestrutura. Após trabalhar com instalações de tratamento de água através dos Estados Unidos por mais de 30 anos, a ATS Innova identificou certas variáveis que devem ser consideradas a fim de se chegar a uma solução química ideal. Estes fatores incluem os seguintes atributos da água:

  • pH
  • Alcalinidade
  • Níveis de fosfato influente
  • Níveis de amônia influente
  • Níveis de nitrato influente
  • Volume de efluentes diário da estação
Gráfico de Redução de PO4 (Remoção de Fósforo) Usando ATS-809

Quando produtos químicos tradicionais como alume, férrico ou outros produtos não estão sendo suficientes para baixar os níveis de fósforo, muitas instalações tendem a reagir simplesmente dosando mais. Com muita frequência, no entanto, essa abordagem resulta meramente em custos adicionais, mais lodo e maiores custos de manuseio — entre outros problemas.

Em vez de simplesmente dosar mais produtos químicos, a ATS Innova ajuda as estações de tratamento de efluentes a determinar a melhor estratégia química para remoção de fosfato em cada estação única. Nossos peritos em água primeiramente avaliam a dinâmica da água no estado atual e em seguida analisam o(s) melhor(es) local(is) para tratamento.. Soluções químicas especializadas de alto desempenho serão recomendadas com base nas variáveis da estação. Em seguida, realizamos testes em escala laboratorial para validar o desempenho. Para garantir que tudo corra bem, a equipe da ATS oferece suporte durante todo o processo de inicialização, bem como treinamento de segurança para a solução implementada.

Fique à frente da curva dos regulamentos de fosfato — ligue hoje para nós no número 855.215.4600 para obter uma análise gratuita da sua estação e saiba como você pode alcançar o desempenho ideal com a dinâmica de água exclusiva de sua instalação.

Learn More
close slider

4A002673-4687-4A65-8BB3-7C18916217E7